Moçambique/Nampula: Manuel Rodrigues Revela Redução de 37 Para Seis Unidades de Processamento de Caju

Por: Rosa Inguane, da AIM, em Nampula

O Governador da província nortenha moçambicana de Nampula, Manuel Rodrigues, disse, Quinta-feira (08/06), que o número de unidades de processamento da castanha de caju, desceu de 37 para as actuais seis de unidades de processamento desta cultura de rendimento, na província.

Manuel Rodrigues, Governador de Nampula

Falando no decurso da primeira reunião nacional de concertação dos actores da cadeia de valor do caju, Rodrigues considera que este facto está a provocar desmotivação no seio dos produtores, estimados em mais de 300 mil, uma vez que, em 19 dos 23 distritos que compõem a província, portanto cerca de 83 por cento, o caju é uma cultura a ter em conta e principal fonte de renda de muitas famílias.

“A nossa província conta com mais de 37 empresas entre processadoras em número de 17 (13 fábricas e 4 fabriquetas) e exportadores em número de 20. Contudo, não obstante este número de unidades de processamento, preocupa-nos constatarmos que infelizmente, actualmente, apenas 6 unidades estão operacionais colocando assim, alguns concidadãos no desemprego e conseguinte desmotivação dos nossos produtores”, informou.

Ainda sobre números, Rodrigues lembrou que se registou um incremento dos volumes comercializados de 67.338 toneladas, em 2021, para cerca de 77 mil de castanha de caju na campanha 2022/2023.

Num outro desenvolvimento, o governante revelou que “contamos actualmente na província com 15 viveiros de produção de mudas, dos quais seis públicos, oito geridos por cooperativas e um pelo sector privado. Nesta componente queremos estimular o maior envolvimento do sector privado”.

Rodrigues sugeriu ainda que o sector reflicta no formato ideal para melhorar o circuito da comercialização do caju com vista a garantir uma justa remuneração aos produtores pelo esforço que empreendem que, por sua vez, poderá constituir um elemento motivador para a expansão da produção do caju.

A província de Nampula é a maior produtora nacional e possui um parque cajuícola de aproximadamente 15 milhões de plantas.

Recorde-se que a produção e processamento do caju em Moçambique, data da era colonial quando atingiu níveis recordes, por exemplo, em 1973 alcançou o pico de 240 mil toneladas.

(AIM)

JSA/RI