O Primeiro-Ministro da Republica de Moçambique, Carlos Agostinho do Rosário, considera ter chegado o momento de submeter a candidatura da Ilha do Ibo, no norte de Cabo Delgado, a património mundial da humanidade.

A ideia foi partilhada Quinta-feira enquadra-se nas celebrações dos 260 anos da ilha, que é, segundo as palavras do Primeiro-Ministro, um local de expressão da simbiose de várias culturas africanas, árabes e europeias.

Carlos Agostinho do Rosário, que falava na abertura da primeira sessão do Conselho Executivo da Comissão Nacional para a UNESCO(CNUM), disse que o Governo está ciente de que o mosaico cultural que se encontra na Ilha do Iboconstituium acervo, fonte histórica e de memória dos povos que por ali passaram e habitaram, ou seja, um verdadeiro arco-íris cultural.

“Este facto relança a nossa responsabilidade, como Governo, e dos nossos parceiros no que concerne ànecessidade de valorização deste património cultural”, disse.

O Primeiro-Ministro falou da importância da cooperação entre o país e a Organização das Nações para Educação, Ciência e Cultura (UNIESCO), apontando que foi à luz destes laços e no âmbito da promoção e protecção da diversidade das expressões culturaisque a Ilha de Moçambique e as danças Timbila e Nyao foram declarados património cultural da humanidade em 1991 e 2005,respectivamente.

No domínio do meio ambiente e biodiversidade, o governante destacou o reconhecimento do Parque das Quirimbas, também no norte de Cabo Delgado,como uma área de conservação de classe mundial, integrado na rede mundial de reservas de biosfera.

“Este reconhecimento traz para o país oportunidades de melhor conservação, valorização e uso sustentável dos recursos naturais, assim como para a pesquisa e intercâmbio de conhecimento e experiências no campo da conservação da biodiversidade,  mudanças climáticas e o desenvolvimento sustentável local”, assumiu.

A CNUMé um órgão do Conselho de Ministros responsável pela coordenação e cooperação entre o país e a UNESCOe é composto pelos titulares das pastas de Educação, Ciência e Tecnologia, Cultura, Informação e Comunicação, Desporto e Negócios Estrangeiros.

(AIM)

Not/JSA