AS Forças de Defesa Nacional da Africa do Sul (SANDF) estão a trabalhar para garantir a segurança dos sul-africanos apanhados nos ataques terroristas de Palma, na província de Cabo Delgado, escreve hoje o otivcias citando o Presidente Cyril Ramaphosa.

“Já estamos atentos à questão da evacuação dos sul-africanos que estão retidos em Moçambique”, afirmou.

“As Forças de Defesa Nacional da África do Sul os trouxeram de volta”, acrescentou Ramaphosa, como Comandante-em-chefe das SANDF.

“Eles continuam envolvidos em garantir a segurança do nosso povo em Moçambique, em Pemba e [em] Palma”, disse ele numa comunicação ao Newzroom Afrika e NCA, falando à margem de um serviço religioso para homenagear Winnie Madikizela-Mandela.

O Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) advertiu que os ataques terroristas de 24 de Março provocaram um deslocamento maciço de pessoas.

A Organização Internacional para as Migrações já registou cerca de 8.000 pessoas nos pontos de chegada nos distritos de Nangade, Mueda, Montepuez e Pemba.

“A ONU tem informações de que centenas de pessoas ainda estão a tentar deixar Palma agora e milhares estão a fazer o seu caminho a pé, de barco e de estrada”, muitas estão a ser resgatadas em operações das Forças de Defesa e Segurança (FDS) mocambicanas com envolvimento de diversas agências nas Nações Unidas e organizações não-governamentais.

Uma resposta humanitária em grande escala será necessária para atender às necessidades mais imediatas das pessoas em fuga.

O portal de notícias News24 relatou que pelo menos 43 sul-africanos foram estavacuadas na região de Palma durante a incursão dos grupos terroristas nesta vila.

O Departamento de Relações Internacionais e Cooperação (DIRCO) da África do Sul disse terça-feira que as SANDF evacuaram as vítimas sul-africanas para KwaZulu-Natal e depois para Gauteng.

(AIM)

NEWS24/JSA