Empresas Distribuidoras de gás de cozinha dizem estar satisfeitas com o investimento que será feito pela petroquímica sul-africana Sasol que vai permitir a produção de 30 mil toneladas por ano em Inhambane, segundo o anúncio feito pela empresa e o Governo moçambicano há uma semana.

De acordo com o presidente da Associação Moçambicana de Empresas Petrolíferas (AMEPETROL), Michel Ussene, citado pelo Jornal moçambicano, ”O Pais”, a refinaria da Sasol irá cortar os custos das empresas distribuidoras, poupar divisas ao país e reduzir o preço praticado ao consumidor final.

A reacção das empresas distribuidoras do gás de cozinha surge poucos dias após a SASOL ter anunciado que vai investir 760 milhões de dólares em novos reservatórios na província sulista moçambicana de Inhambane que vão permitir a instalação da primeira fábrica de gás de cozinha no país. “Esta é uma grandiosa notícia porque Moçambique vai deixar de exportar divisas. Nós comprávamos GPL (gás de cozinha) fora, então devíamos pagar. Agora vamos consumir nosso GPL e os dólares que nós pagávamos vão ficar no território nacional”, disse Michel.

O empreendimento a ser instalado vai também gerar tecnologia no país e vai permitir a ampliação da produção de gás. “Então, estamos muito satisfeitos com esse anúncio feito”, disse o presidente da Associação Moçambicana de Empresas Petrolíferas (AMEPETROL), Michel Ussene.

(AIM)

O Pais/JSA