A responsável da unidade técnica anticovid da Organização Mundial da Saúde (OMS), Maria Van Kerkhove, disse esta quinta-feira não haver provas de que a variante do vírus identificada na África do Sul seja mais mortal do que outras.

Tão pouco há indícios de que cause um maior número de casos graves e seja mais difícil de diagnosticar, afirmou em conferência de imprensa, em Genebra, na sede da organização.

“Identificou-se sim um aumento na capacidade de contágio, parecida com a que observamos com a variante do Reino Unido”, admitiu Van Kerkhove.

Outro aspeto detetado pela OMS foi que as vacinas anticovid de fabricantes como Johnson, Novavax ou AstraZeneca têm menor eficácia perante esta variante, detetada, segundo a organização, em cerca de meia centena de países.

A diretora do Programa de Imunizações da OMS, Kate O’Brien, sublinhou a propósito que o ensaio clínico realizado com a vacina da AstraZeneca durante o período de circulação desta variante decorreu com um número reduzido de pacientes, e não incluiu ninguém gravemente infetado com covid-19.

“Isto é importante, porque o que estamos a ver é que todas as vacinas tendem a ser mais eficazes em pessoas com quadros severos”, sublinhou a epidemiologista.

As especialistas frisaram que, apesar das diferenças da variante face a outras estirpes, a África do Sul demonstrou que com as medidas de saúde pública adequadas pode ser controlada.